Hamilton Fernando Cunha

Nasceu em 1941, no Saco dos Limões, em Florianópolis.

Filho de Fernando Manoel Cunha e Filomena Maria Rosa.

Conhecido como “Escoteiro”, este afro descendente era operário da indústria gráfica.

Apesar de ser militante da VPR, participava do cotidiano cultural e intelectual de São Paulo, atuando em grupos de teatro e, com voz de tenor, cantava em coral.

Devido à onda de prisões ocorrida logo após o AI-5, que atingiu em cheio a rede de apoio da VPR, desde o início de fevereiro de 1969, Escoteiro estava morando no mesmo aparelho que outros dirigentes da organização, entre eles Carlos Lamarca.

Como não tinha caído na clandestinidade, trabalhava na Gráfica Urupês, no bairro paulistano da Mooca. Preocupado com a possibilidade de ser identificado pelos órgãos de segurança, resolveu se demitir do trabalho, mas, ao comparecer para assinar a rescisão, foi preso e morto, em 11 de fevereiro de 1969, por policiais do DOPS/SP, na porta da gráfica.