Luta para manter o nome da Rodovia Paulo Stuart Wright

281112_Plenario_LGD (82)281112_Plenario_LGD (83)281112_Plenario_LGD (83)281112_Plenario_LGD (86)

281112_Plenario_LGD (118)281112_Plenario_LGD (119)281112_Plenario_LGD (122)

Durante 4 anos o Coletivo Catarinense Memória, Verdade, Justiça lutou contra a proposta do deputado Knaesel de trocar o nome da Rodovia que leva o nome do ex deputado estadual e desaparecido político catarinense Paulo Stuart Wright.

Quem representou o Coletivo foi Ricardo Maes, filho de ex preso político.

As palmas são pela vitória da manutenção do nome de Paulo Stuart Wright.

Entenda como foi a luta:

“Tramita na Assembleia Legislativa de Santa Catarina (ALESC) um projeto de lei para alterar o nome da Rodovia Estadual SC 414, a Variante, que atualmente leva o nome de Rodovia Estadual Paulo Stuart Wright. De autoria do deputado, Gilmar Knaesel (PSDB), a intenção é passar o nome para Rodovia Estadual Francisco Leopoldo Fleith. No entanto, a mudança gera polêmica.
A polêmica acerca da mudança do nome da rodovia estadual, localizada entre Penha e Balneário Piçarras, deu ensejo ao movimento liderado pelo Coletivo Catarinense Memória, Verdade e Justiça, que pede a não revogação ou modificação da lei que em janeiro deste ano reverenciou o nome do único deputado catarinense cassado pela ditadura militar em 1963.
A justificativa de Knaesel é a de que Fleith foi um importante político local e dono de loteamento onde foi construída. Já seu filho, o vereador, Ivo Álvaro Fleith (PSDB), afirma que o pai encabeçou os primeiros contatos com o Governo Estadual para abertura da rodovia, obtendo respostas positivas dos governantes.
Se o projeto de lei passar no plenário, ele revogará uma lei aprovada, por unanimidade e sem restrições, no dia 17 de janeiro de 2011. Movimentos de defesa dos direitos humanos de Santa Catarina estão mobilizados para impedir que a rodovia mude de nome. Além disso, os Deputados, Neodi Saretta (PT/SC), Volnei Morastoni (PT/SC) e Sargento Amauri Soares (PDT/SC) defenderam a continuidade do nome.
Em 1973, ele foi preso e torturado pelo 2º Exército em São Paulo, sob a coordenação do coronel Brilhante Ustra. O corpo de Paulo, reclamado pelo governo dos Estados Unidos da América, e pelos familiares, nunca foi encontrado. A professora Derlei Catarina De Luca, vítima da repressão armada da ditadura militar, acredita que o corpo nunca foi devolvido porque o caso repercutiu nos Estados Unidos.
Esse fato inspirou Dias Gomes a escrever a novela “O Bem Amado”. Cassado pela ditadura militar e banido do rol de fiéis da Igreja Presbiteriana, Paulo Wright viveu na clandestinidade e foi o segundo homem da Ação Popular Marxista Leninista (APML).”

http://www.adjorisc.com.br/jornais/jornaldocomercio/politica/projeto-de-lei-quer-mudar-nome-da-sc-414-1.982711

“Veja o link com a reportagem sobre o risco da mudança de nome da rodovia Paulo Stuart Wright, em Santa Catarina, para o de um prefeito da ditadura militar.

A proposta é de um deputado tucano:

http://www.redebrasilatual.com.br/radio/programas/jornal-brasil-atual/rodovia-que-homenageia-vitima-da-ditadura-pode-mudar-de-nome/view

Um país sem memória pode exercer a Democracia de forma plena? Nesta quarta-feira, dia 28 de novembro, instituído dia em defesa da vida, da democracia, e da justiça, um ato na Ass. Legislativa Catarinense, às 15:00, vai lembrar que é preciso manter o VETO ao projeto 199/2011. Em memória de Paulo Stuart Wright, desaparecido político e ex-deputado catarinense, Santa Catarina precisa de você cidadão!

704803_3999367748907_1893214546_o

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s